segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Frescura



Às vezes eu me pergunto se alguns de nossos sociólogos, antropólogos, intelectuais em geral têm realmente algo de importante com o que se preocupar.


A mim me parece uma inominável falta do que fazer tentar renomear algumas expressões para que elas se enquadrem no que se diz ser “politicamente correto”.


Exemplo:
Pobre = pessoa vulnerável sócio-economicamente;
Deficiente físico/mental = pessoa portadora de necessidades especiais;
Negro = afro-descendente.


Alguém no Brasil chama filho de japonês de nipo-descendente??? Tá, sei que são contextos distintos, que o racismo contra negros envolve fatores históricos, sociais e culturais, mas em síntese o raciocínio é o mesmo. Chamar de “neguinho” não pode, mas chamar de “japinha” não tem problema. É isso??


Acho que depende mais da forma como se fala algo, o tom que se usa, a expressão facial, o olhar, essas coisas. Posso chamar uma pessoa de pobre sem ofendê-la, mas posso também fazer isso com o intuito de humilha-la. Acredito que deveríamos buscar meios mais sólidos para dar mais dignidade a pobres, deficientes, negros ou quaisquer outros que integram a lista de verbetes do dicionário dos politicamente corretos.


Bjoooooo!!!

3 comentários:

Bernadete disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Isaque. disse...

Querem eufemizar as diferenças físicas e mentais como se tornasse a pessoa melhor ou mais digna
Concordo plenamente, Vanessa.
Um grande beijo. ;D

dalyne disse...

sim, e o rico é o que???
"invulnerável sócio-economicamente"

ou seria "venerável socio-economicamente??????

rum rum um