segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Responsabilidade


Eita... quatro "posts" de uma vez... rsrsrsrs. Bem, fazia tempo que não atualizava esse blog e hoje resolvi colocar minhas postagens em dia. Porque? Homenagem ao Isaque.


Isaque é primo da Fran (protagonista do post “Que situação ridícula!!” logo aqui abaixo) e quer ser jornalista. Um menino talentoso. Escreve direitinho, tem estilo, é espirituoso e acabou de entrar na blogsfera (bem-vindo e boa sorte!). Hoje soube que ele é “meu fã”. É o mais novo da lista de meus (agora) nove leitores assíduos.


Fiquei feliz por saber que ele gosta de meus textos, meu jeito de escrever, admira meu trabalho e as “coisas” que publico neste blog. Porém, fiquei intrigada: “Caramba! O que eu escrevo realmente influencia alguém (ou vários ‘alguéns’, não sei)”. Um misto de responsabilidade, vaidade e preocupação tomou conta de mim esta noite.


Quando comecei a tomar gosto por ler e escrever, inspirei-me em uma jovem jornalista que hoje é uma das escritoras juvenis mais lidas do Brasil. O nome dela é Valéria Piazza Polizzi. E seu primeiro livro, “Depois daquela viagem”, conta sua própria história. Narra duas viagens que mudaram sua vida: um cruzeiro, em que contraiu Aids logo em sua primeira relação sexual, e uma viagem para os Estados unidos, onde descobriu que é possível conviver com a doença e ter uma via “normal”. Um livro escrito de maneira quase boba, sem brilhantismo literário, mas que me fez pensar: “é isso que quero para mim. Quero poder fazer alguém ler um livro de 360 páginas em três tardes – e sem ser por obrigação”.


Não que eu esteja achando que o Isaque quer ser jornalista por minha causa. Longe disso. Mas comecei a imaginar que não temos a dimensão do quanto o que fazemos pode contribuir/influir na vida das pessoas. O desânimo que tomou conta de mim nos últimos dias ficou pequeno perto da valorização dada por pessoas como Isaque ao que escrevo (muitas vezes pensando que isso nem tem tanta importância assim). O comodismo, a preguiça, o cansaço também perderam a razão de ser. E isso eu devo a ele.


Isaque, não pensei em uma forma melhor para lhe retribuir que não um sincero “obrigada!!”.


Bjo a todos!!!

2 comentários:

Isaque. disse...

Confesso que fiquei emocionado ao ver a homenagem. Afinal, pensei que só teria uma no velório que minha mãe fará a mim quando morrer. Pois é, eu leio seu blog sempre que posso (não são todas as vezes que comento). São poucas as pessoas que tem uma visão tão ampliada em análises críticas. Por exemplo: em relação ao depoimento de Paulo Zottolo (finalmente, encontrei alguém que concorda comigo). Saiba que me ''espelho'' em você não só como em pessoa, mas como numa grande jornalista. Obrigado por me satisfazer com a leitura de seus textos.
Agradeço sempre. Um beijo e mais uma vez, muito obrigado. Ahh, ninguém nunca me disse que sou espirituoso! :D

Anônimo disse...

já fui assim... será se ainda dátempo de voltar ao normal(leitora, crítica, atualizada impresso, tv, net, amorosa pelo jornalismo?)tantas coisas acontecem tantas coisas passam será se o amor volta... ou era a adolescência que me envolvia, fascinava, gritava.