segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Mundo injusto



Sei que a Dane vai reclamar, vai dizer que as coisas não são assim, vai me olhar com aquela cara de “ow, vaaaan”, mas...


Imaginem se o tal do apagão energético desse final de semana tivesse atingido apenas bairros da periferia de Teresina. Haveria tamanha repercussão??? E se o gov. não tivesse ficado mais de 24h sem fornecimento de energia elétrica?? Teria havido tanta notícia em jornal ??? E se o pref. não tivesse perdidos caixas e mais caixas de seus remédios para diabetes (que precisam ser conservados em determinada temperatura)?? Seria tamanha a indignação???


Eu tenho lá minhas dúvidas. Infelizmente, ainda (e acredito por muito tempo mais) se dá mais importância àquilo que prejudica quem tem dinheiro.


Por que ninguém fala do caos dos terminais rodoviários? Eu mesma já cansei de ficar hooooooooooras esperando por um ônibus superlotado, caindo aos pedaços, fedido; e isso sem falar nas estradas esburacadas, irregulares, mal sinalizadas, sem acostamento. Mas o apagão aéreo, ao contrário, desde novembro de 2006 é notícia. E enquanto ele durar, ele o será.


Por que quase não se falou na greve dos residentes do HGV?? Porque quem mais precisa deles é a população carente, ops, “vulnerável sócio-economicamente” (uma nomenclatura pomposa e politicamente correta para pobre – porque os intelectuais dizem que chamar alguém de pobre é ofensa gravíssima). Rico só recorre ao GHV em situações extremas. Tão extremas que sequer consigo imaginar quais.


Sabiam que na maioria dos bairros da periferia de Teresina o fornecimento de energia elétrica é precário ou inexistente? E olhe que eu estou falando apenas de “luz”, sem contar abastecimento d’água, saneamento básico, calçamento e mais uma pequena listinha de demandas dessas comunidades.


Bjooooo!!!

Um comentário:

dalyne disse...

saneamento?????????
o gov sabe o que é isso?
e o pref? sabe???

a POP. com certeza não sabe!

(pq não tem, não pq é burra...)