quinta-feira, 19 de abril de 2007

alguém aí quer casar?



Um dos meus melhores amigos vai casar. O Diego Igrejas é item recente na minha lista de amigos. Com seus 10 meses de existência em minha vida, ele é tão importante quanto se eu o conhecesse há 10 anos. Mas isso não importa. O fato é q ele vai casar. Tah procurando casa, cama, fogão, geladeira...a noiva já encontrou. Uma pessoa super-hiper-ultra-big-mega-master legal (se não o fosse, ele não iria obrigar sua escova de dentes a dividir a mesma pia q a dela).

É bom ver alguém tão jovem, tão anti-convenções sociais, tão independente quanto o Di empolgado com o seu casamento. Sua expressão muda td vez q falamos nisso. Não sei, fica tomada por entusiasmo, ansiedade...um frescor contagiante. E não me parece euforia de quem finalmente vai sair da casa dos pais, da barra da saia da mãe. Parece amor mesmo. Daqueles q acho q nem existem, de querer ficar p o resto da vida com a mesma pessoa (e olha q “p resto da vida” é mto tempo), de se dedicar a ela e querer fazê-la feliz. Clichê? Talvez...mas, certamente, mto sincero.

No início, eu q dizia a ele: “Di, c precisa se dar uma oportunidade, c precisa deixar as coisas acontecerem”. E pelo visto eu tava certa (ai, odeio ter razão – rsrs). Agora é ele kem diz: “Vanessa, vc tem d permitir-se”. Ele e mais um monte de gente: Karla, Lívia, Xico Xiote, Biá, Douglas, Lucas, minha mãe...mas eu faço as coisas sem pensar, eu complico td mesmo sem kerer. Sei lá, acho q é medo de me envolver e acabar sofrendo. Se bem q eu sofro tanto fugindo...medo de compromisso. Mas o Di fugia disso como o diabo da cruz e hj tah doido p “se juntar” logo, ter a Marina juntinho...é q ele achou alguém q o completa, q o acompanha, cúmplice, amiga, amante. A gente tah sempre procurando alguém assim, mas já com a ctz de que ele não existe. Talvez esse seja o problema... a gente tem de desconfiar menos e doar-se mais.

Se a Marina fosse jogar o buquê, eu até me atreveria a pegá-lo. Mas acho melhor abrir uma agência de matrimônio p ver se a empolgação dos “futuros maridos” (como diz o João) me anima um pouco (rsrs).


Bjo p vcs!

Um comentário:

Diego disse...

Não somente por me ter como um dos teus amigos [isso me deixa muito feliz], mas muito obrigado p ter escrito isso. Está muuuuito lindo. Realmente vc tem razão!!
Diego "Igrejas"