quarta-feira, 11 de abril de 2007

O inesperado


Às vezes, a gente leva um tempão para se acostumar com algo, para se conformar mesmo, para colocar na cabeça que “já foi”. E, para bagunçar tudo, de repente acontece o inesperado. E isso é uma regra geral à vida de qualquer um. Passei por uma dessas hj. Já tinha me imaginado em tal situação (q num vou contar pq é uma dakelas minhas loooooooooooooongas histórias, mas tem gente q já deve saber sobre o q se trata - rsrsrs), minhas atitudes e até as atitudes dos ‘demais envolvidos’ (isso tá parecendo coisa de integrante de quadrilha), mas na hora saiu tudo diferente (ainda bem). Não adianta programar certas coisas. É besteira. E quando a gente menos espera, quando parece q as coisas vão ficar na delas, levamos um drible. É como se os acontecimentos, caprichosamente, teimassem em nos testar. Uma h isso não vai dar certo...

Falando em conformismo, essa eu não poderia deixar de registrar. Biá Boakari e eu chegamos a uma conclusão hoje: “quanto mais alguém pisa na gente, mais a gente gosta desse alguém; e qto mais a gente gosta de alguém, mais esse alguém pisa na gente”. Isso é ridículo, mas as coisas são desse jeitinho. Na verdade, eu já tinha descoberto isso uns quatro anos atrás batendo-papo com a Lyghia Maria (lembro-me como se fosse hj...a gente tava saindo da aula, lá no Diocesano, passando pelo túnel, falando de amores não correspondidos – tirando o túnel, nada mudou) e até hj custo a aceitar esse círculo vicioso. Rsrsrs. Meu caso é dos mais complicados: apaixono-me fácil e me contendo em ficar amando de longe pq sou mto tímida e acho-me desinteressante o suficiente para não ser mais que a menina ‘legal, que morre de trabalhar, tem um papo bacana e é extrovertida”.

Ah, ontem, depois de muito tempo, passei h no MSN falando com a Régia (uma suuuuuuper miga q mora no Maranhão) sobre esse assunto (ela sempre me dá injeções de ânimo e de auto-estima, que é o que me falta). Na maioria das vezes em que estou online vejo lá “Aηα Rεgia - ”; mas eu tou sempre(sempre??) ‘ocupada’...e ela muitas vezes ‘ausente’. Acabamos nos falando pouco. O que é uma pena pq somos tão cúmplices e pq é sempre tão agradável conversar com ela...pelo carinho, pela admiração, pela confiança e pela certeza d q ela fica feliz com minhas conquistas e sente comigo minhas perdas. Isso é único.

Obs: Josephine, obrigada pelo curso intensivo de “Como me achar o máximo – Em cinco lições”. T amo, migaaaaaaaaaa!

...a foto clássica é lá em Fortaleza, na praia do futuro.

Bjim p vcs...

2 comentários:

Morrer [de Rir] ... disse...

oowww... eu te amo,viu?? mesmo sem você pisar em mim.. =P bju amiga pipira!!

Ana Régia disse...

OOhhhhhh.....
So posso te dizer q vc eh mt especial... Tb te amo mt...
E sinto sua falta... de nossas conversas!!!
Bjos
E se cuida!!!