quarta-feira, 9 de abril de 2008

Efeito "Gy"


Quando da final do BBB8, o Piauí parecia que ia acabar. A impressão que se tinha era de que não havia nada mais importane que a "Gy". O show do Yamandu (!!!!) acabou um pouco mais cedo para que as pessoas pudessem chegar em suas casas a tempo de acompanharem a final; ouvi mais foguetório que em final de Copa do Mundo e em dia de resultado de vestibular.
Inocente, achei que isso era fogo de palha, que uma semana depois ninguém mais lembraria. Little full!!
Sexta-feira passada aconteceu um fenômeno jamais visto na história do Ódia. Funcionários em polvorosa... a cada vez que o telefone tocava, as pessoas se entre-olhavam e se perguntavam: "chegou? É ela?".

"Ela" era Gyselle Soares, a "Gy". E quando ela chegou, o mundo parou. A NETTV ficou pequena para tanta gente. Fotos, beijinhos, rasgação de seda... trabalho? Não, só depois que ela fosse embora - questão de prioridade! A mobilização foi tamanha que 4 (QUA-TRO) repórteres (três do jornal e um do portal) entrevistaram a "Cajuína".
Não conheci a "Gy", não sei se ela é mais bonita pessoalmente, se ela realmente fala cinco palavras erradas a cada três frases que solta nem perguntei o que ela fazia da vida enquanto morava na França; só sei que vou morrer sem entender porque tamanha comoção em torno da pessoa dela.
Visão bem pessoal: ela não me disse nada em relação ao meu estado e o fato de ela participar do Big Brother não engrandeceu em nada a minha pessoa enquanto piauiense. Fica a pergunta, e quem quiser responder, plis, fique à vontade: que representatividade ela deu ao estado dentro da casa do BBB?
Bjo!

2 comentários:

Marcos disse...

Não sou piauiense e nem sei o tamanho da repercussão da chegada da Gy em seu estado. Mas li seu post e imaginei como teria sido. Moro em João Pessoa-PB e daqui já saíram 2 “popstars” do BBB que nada acrescentaram a cidade ou ao estado em aspecto nenhum, nem dentro nem fora da casa. Respondendo sua pergunta, creio que a Gy infelizmente só serviu para ratificar um pensamento falso e medíocre que perpetua entre os sulistas: o de que os nordestinos são de uma sub-raça cultural, intelectual e etc e etc....

dane_ly disse...

eu ia dizer logo:
se tivesse um lugar pra assinar em baixo eu escreveria: Dalyne Barbosa!

mas, qndo vi esse comentário de cima me emocionei! kkk
esse Marcos aí é meu primo disfarçado! kkkkkkk

Xêru!