sexta-feira, 25 de abril de 2008

Enquanto o ônibus não vem...



Um banquinho, um banquinho, pelamordedeus, um banquinho... a bolsa pesada, as sandálias apertando os pés, o centro lotado e eu só queria comprar uma blusa. Doutor Sílvio, mais banquinhos na parada em frente à Praça Saraiva, por favor.

Aquele lugar no final da tarde é um pesadelo. Passam três "Saci - Barão", dois "Vamos ver o Sol", fora aquela infinidade de "Promorar - Barão" e "Timon - via Ponte Nova", mas não tem quem faça passar o maldito "Mocambinho - Porto Alegre".
Nada deles... nada deles...
Crianças correndo. As mães correndo atrás e gritando para qeu elas não sejam atropeladas nem pisoteadas. Velhinhos tocando cantigas ao violão e pedindo uns trocados pelo 'show' não contratado. Vendedores de toda sorte de coisas. Uma ligação. Meu celular novo? Atendo nada! Sinto muito Ly, quando eu chegar em casa te retorno do meu 'Tim Ligador'.
Ops! Lá vem um Transcol! Não, ainda não... acrescente um 'Poty Velho - Bela Vista' naquela nossa lista.
Lá vem uma família toda. Parece que foram às compras. Blusinha para a filha, sandália para o menino mais novo, meia para o pai, uma calça para a mãe e um agrado para a sogra. Uma água de coco para mim (com meu R$, claro). Um chocolate também. Vale Transporte? Não, vale, não.
'Porto Alegre - Mocambinho'?? Não, também não.
Olhar fixo lá no outro lado da praça, na esperança de que passe um Transcol em frente ao Diocesano. Aliás, por dois segundos até vêm as lembranças felizes daquele tempo de secundaristas, mas elas logo passam, dão lugar ao Padre Florêncio e suas provas desumanas de toda sexta-feira, ao tempo em que tinha de acordar às 5h45 da matina, aos simulados e às aulas no laboratório. E concentração volta-se para os 'Transcóis' da vida.
A força da mente parece que dá mesmo certo. Se acreditasse nessas coisas, talvez até ficasse impressionada. Lá vem ele. Graciosamente lotado. Descem umas 30 pessoas e sobrem mais 40! Mais de meia-hora depois, estou eu, rumo à parada de ônibus onde fui assaltada no dia 03/01/2007; aliás, onde acompanhei o assalto da Dan. Mais 15 minutinhos de aperto e de forrozão no rádio do coletivo. Outros 4 minutinhos caminhando até a casa de vovis, estou eu, sã e salva no calorzinho do meu quarto.
Bjooos!

3 comentários:

Anônimo disse...

(desculpa morrr, saí do msn! tu sabe, 3G..ou eu comentava no teu blog, ou te dava atenção no messenger...¬¬)

Depois tu reclama quando fico falando de Piripas...lá não tem centro abarrotado de gente, nem ônibus lotado e não fico preocupada se vou, ou não, ser assaltada quando estiver chegando em casa!! Pois é...tem gosto pra tudo nesse mundo!! hehe

amo tu

bjo

Anônimo disse...

(desculpa morrr, saí do msn! tu sabe, 3G..ou eu comentava no teu blog, ou te dava atenção no messenger...¬¬)

Depois tu reclama quando fico falando de Piripas...lá não tem centro abarrotado de gente, nem ônibus lotado e não fico preocupada se vou, ou não, ser assaltada quando estiver chegando em casa!! Pois é...tem gosto pra tudo nesse mundo!! hehe

amo tu

bjo

Hugo disse...

rum...