segunda-feira, 20 de abril de 2009

Omissão

Dr. Marco,

Recentemente, vossa excelência enviou aos veículos de comunicação de Teresina um ofício orientando-os a não nomearem nem divulgarem ações de ditos pré(?)-candidatos ao governo do Estado em 2010. Certamente, o senhor entende bem mais de Direito que eu, não vou aqui dissertar sobre a importancia e a legitimidade da liberdade de imprensa. Porém, creio que tenho mais conhecimentos teórico e prático sobre a função social da comunicação do que vossa excelência. Então, deixe-me fazer algumas observações.

1. Certamente, vossa excelência não tem tempo para acompanhar os chamados bastidores da política local. Caso acompanhasse, saberia que esse pessoal (pré-candidatos, aliados e opositores) não fala sobre outra coisa nas horas livres e ocupadas também a não ser em possíveis cenários políticos em junho de 2010, quando acontecem as convenções político-partidárias para definição de candidaturas para as próximas eleições gerais.
2. Também não acredito que o senhor tenha tempo para acompanhar a programação das emissoras locais de TV aberta. Caso tivesse, já teria assistido a propagandas ditas partidáris em que alguns dos pré(?)-candidatos têm suas ações políticas enaltecidas por narradores de belas vozes tendo ao fundo imagens suas trabalhando e abraçando criancinhas. Em duas delas, seus locutores encerram-nas com as seguintes frases: ‘pronto para o Piauí’ e ‘preparado para o Piauí’.

Agora, diga-me, Dr. Marco, o senhor acha realmente que a imprensa deve assistir a tudo isso fingindo que nada está acontecendo e omitindo tais fatos da população, dos verdadeiros interessados em todo esse jogo político: os eleitores? O senhor acha realmente que a imprensa deve tapar os olhos apenas porque a legislação, o papel definem que campanha política deve acontecer apenas nos três meses que antecedem as eleições e ignorar que ela está de fato acontecendo dia após dia, inclusive nesse exato momento?

Um comentário: