domingo, 5 de outubro de 2008

Mudar

Nasci em Teresina. Nos meus primeiros meses de vida fui morar em Parnaíba. Depois, passei cinco anos em Picos. Lá, aprendi a falar. Perdi o sotaque meio pernambucano, mas até hoje falo "de mãe" ao invés de "da mãe". Depois, moramos dois anos em Canto do Buriti. Mudamo-nos (próclises...) para Gilbués e no ano seguinte viemos morar em Teresina. Daqui, fomos para Balsas e passamos mais cinco anos por lá. Eu voltei para Teresina e aqui estou desde 2001.

Mudanças fazem parte da minha vida desde muito cedo - como vocês podem observar. Acontece que quando eu era criança, as mudanças, por mais radicais que fossem, não eram tão complicadas quanto as de hoje.

Não tenho amigos de infância. Quando eu estava me adaptando a um colégio, uma turma, por exemplo, nós já tínhamos de nos mudar novamente. Mas quando a gente é criança, tudo são novas possibilidades. Quando a gente cresce é que acaba perdendo esse sentimento. Passa a achar que as mudanças são ameaças. Acabamos nos prendendo demais às coisas como elas (em tese) são.

Por quê não continuar pensando que as mudanças são novas possibilidades? Acho que porque quando a gente cresce quer ordenar as coisas, quer ter controle sobre elas. Se alguém tiver uma dica para fugir desse medo de perder o controle, por favor, avise!

Pois é... como eu disse dois posts atrás, "mudar" voltou a ser hit na minha vida.


Bjos!

* A Deus eu peço - Alexandre Pires

Um comentário:

Pedro Sátiro disse...

ei rata
tu morou tb em parnaiba
em picos foi so um ano
rsrsrs
nao lembra de nada mesmo
rsrsrs
bjos