segunda-feira, 29 de setembro de 2008

"Desejo tão antigo"

Comecei a gostar de Fagner quando eu tinha uns cinco anos de idade. Juro! Meus pais, Pedro e eu viajávamos de Picos a Teresina em um fusquinha beeeeeeeeeem velho. A viagem foi terrivel. Era época de B-R-O-bró. Um calor infernal. O tal do fusquinha dava defeito a cada 20 km. Toda hora meu pai precisava colocar água no radiador ou fazer um "remendo" qualquer. E eu era apenas uma pobre criança...

Nessa época o Bill Gates ainda era pobre, não existiam MP3, DVD, sequer CDzinho tinha naquele tempo. Fizemos a interminável viagem toda ouvindo apenas uma fita K7: Fagner - Os grandes sucessos. Foi impossível não aprender a cantar "Fanatismo", "Canteiros", "Borbulhas de amor" e tantas outras canções que adooooooouro e que só são elas mesmas quando cantadas pelo Fagner - com todos os "aiaiaiaiaiaaaaaaaai" e canto gritado a que têm direito.

E no sábado, depois de tanto tempo de espera, assiti, pela primeira vez, a um show do Fagner. Foi lindo! O cara sabe mesmo das coisas. Apesar de ter feito um show curtíssimo (1h10), soube conduzir tão bem a apresentação que foi o suficiente para valer o ingresso (como se eu tivesse pago, né?). Fora que, como disse o Rafael, ele tocou pouco, mas não enrolou - foram 70 minutos de música realmente. Destaque para sua empatia e para os músicos fantásticos que o acompanham.

Bravo!

Bjos! :)

*Deslizes - porque a Nat diz que foi feita para mim (rsrs)

2 comentários:

dane_ly disse...

só um "adentro" fusca não tem radiador, doidooooo!
kkkkkkkkkkkkkk

Pedro disse...

ei rata
pai molhava a um pano com agua e secava a boina do motor que cortava energia quando aquecida, rsrsrsrs, e outra nao era a fita do fagner era do mastruz com leite,rsrsrs
rsrsrsrs