domingo, 10 de agosto de 2008

Piso no meu quadrado!

É, melhor aproveitar que consegui desgrudar da televisão (até o fim da Olimpíada meus finais de noite e inícios de manhã são todos dedicados a ela) e fazer coisas saudáveis, como me alimentar, conversar com as pessoas à minha volta, terminar (!!!) meu TCC, escrever coisasdevanessa.

Pois bem, eu não sou mais uma estagiariazinha. Agora eu sou uma mocinha com carteria assinada e que recebe piso (siiiiiiim, o mega piso de jornalista no Piauí = R$ 1.050). Apesar da euforia de meus parentes e amigos me ligando para dar os parabéns como se eu tivesse passado no vestibular, eu nem me animei muito, sabe? Eu fiquei feliz, claro! A possibilidade de trabalhar mais de dois anos em um lugar e ser dispensado porque não se é mais estagiário não é lá muito animadora. Mas... sempre existe um "mas".

Se eu já trabalhava como profissional lá no Ódia, agora eu sou uma de fato e de salário (mesmo sem um diploma em mãos). Ter 22 anos, trabalhar naquilo que se gosta, em algo que lhe dá enorme prazer (para compensar as dores de cabeça, o estresse e a gastrite), e ter seu trabalho reconhecido é algo realmente muito bacana. Mas... sempre existe um "mas".

Talvez eu seja uma dessas pessoas que vêem o copo meio vazio. Ou eu me apegue às insatisfações diárias, às frustrações e pense que estou cada vez mais distante das "pautas fuderosas", como a que tentei (inutilmente) fazer um ano e meio atrás e que bombou na última semana: "Mamona não serve para a indústria de biocombustíveis". Ou quem sabe essa "insatisfação" não sirva para eu não me acomodar, para eu não esquecer que quero mais do que me está sendo oferecido? Talvez seja o diabinho me dizendo que a trajetória é "O Dia-O Povo-Jornal do Commércio-publicações no sudeste-alguma revista do grupo Abril", como tracei algum tempo atrás.

Até lá, vou tentando ser feliz com "ado-a-ado, piso no meu quadrado".

Beijing! :)

Um comentário:

Bernadete disse...
Este comentário foi removido pelo autor.